30.4.09

INACREDITÁVEL FC: NENÉM COBRA PÊNALTI NA POÇA D'ÁGUA por Globo Esporte

FUTEBOL E SOLIDARIEDADE por Paulo de Tarso Jr.

A rodada dupla do Campeonato Maranhense desta sexta-feira (1º), no Estádio Nhozinho Santos, começa às 15h, com a partida entre São José e Iape. Na sequência, Maranhão e Sampaio entram em campo. A novidade desta rodada, é que os ingressos serão trocados por alimentos não-perecíveis.

Para assistir aos jogos do setor das arquibancadas, cada torcedor deverá levar 1kg de alimento não-perecível. Já para assistir aos jogos do setor das cadeiras, o ingresso custará 3kg de alimentos não-perecíveis.

A troca dos alimentos por ingressos começa a partir das 8h, no Nhozinho Santos.

Solidariedade

A Prefeitura de São Luís destinará os alimentos arrecadados no Futebol Solidário aos desabrigados das chuvas que castigam a capital. Por meio da Guarda Municipal, já foram doados uma série de cestas básicas, colchões e materiais de higiene, além do “Aluguel Social”.

UMA QUARTA-FEIRA INESQUECÍVEL por Juca Kfouri

26.4.09

CUCA E A "URUBUZACA" por Paulo de Tarso Jr.

A data para gritar “é campeão” já está definida, pelo menos é o que espera o técnico do Flamengo, Cuca. Dizem que ele é um técnico bom e eu concordo. Acredito até que ele tem umas ideias interessantes na hora de escalar seus times. Mas convenhamos, o Cuca tem uma urucubaca imensa, ou melhor, “urububuzaca”. Não é apenas uma simples falta de sorte. É urucubaca pura misturada com essa tal “urubuzaca”. Sai pra lá coisa ruim.


O Cuca, apesar de ser um técnico bastante respeitado no mundo do futebol, ainda não sentiu o gostinho de ser campeão. Ele passou dois anos no Botafogo e nada , a não ser o segundo turno do Campeonato Carioca, que diga-se de passagem, de nada vale se não vencer na final. Em ambas ocasiões, o Flamengo estava no caminho do treinador e a história foi a mesma: Mengão dominando o Estadual e o Fogão tendo de apagar o incêndio. E olha que até o Souza, atacante que estava na ocasião no rubro-negro e hoje é reserva no Corinthians, tentou apagar o incêndio com as lágrimas de Cuca e do Botafogo. Em vão. O chororô de nada ajudou o Botafogo e muito menos Cuca. Sai pra lá coisa ruim. Sai pra lá “urubuzaca”.


Dizia-se até, que o Botafogo era um time que jogava bonito, tinha mais qualidade no toque de bola, tinha até um elenco melhor, mas nada disso fez sentido com a bola rolando. O Flamengo foi o bicampeão Carioca. E o Cuca? O Cuca ficou com a cuca quente. De tanto perder para o Flamengo foi demitido do alvinegro. Mal sabia ele que a famosa “urubuzaca” o perseguiu por muito tempo. Ele foi treinar o Santos e nada. Treinou o Fluminense e foi pior ainda. Esfriou a cuca e se rendeu ao seu pesadelo: a “urubuzaca”.


Eu até concordo com o Cuca, que a melhor maneira de acabar com esta “urubuzaca” é estando na sua origem, mas será que ele vai conseguir afastar esta “coisa ruim” dele? A resposta será dada no próximo domingo, quando, mais uma vez, estarão frente a frente, Cuca, o Flamengo e o Botafogo. Para os flamenguistas, “urubuzaca” só existe na cuca dos botafoguenses. Este “mal” não vai afetar o atual treinador do rubro-negro. Será? Tenho dúvidas. Acho que não será tão fácil acabar com esta “urubuzaca”. O Cuca que se cuide, porque os botafoguenses querem provar que o bi-vice dos anos anteriores foi culpa do técnico e não do Botafogo. E aí, quem tem a “urubuzaca”? O Cuca ou o Botafogo?


Veja os gols do empate por 2 a 2 entre Flamengo e Botafogo, na primeira partida da decisão do Campeonato Carioca.

GALO VIRA GALINHA E GALINHA VIRA COMIDA DE RAPOSA por Paulo de Tarso Jr.

Nunca uma comemoração de um gol mostrou o que realmente seria o restante do jogo. Em Minas Gerais, a partida era a primeira entre Cruzeiro e Atlético-MG, valendo o título do Campeonato Mineiro deste ano. O cardápio foi anunciado pelo atacante Kléber, do Cruzeiro, que ao abrir o placar comemorou batendo asas, imitando o mascote do Atlético, que é um galo.


E a torcida azul de Belo Horizonte saiu do Mineirão satisfeita.Tudo porque o prato do dia foi galinha assada, galinha ao molho e todos os pratos possíveis de serem feitos com galinha. Já a torcida alvinegra de BH não gostou do prato do dia, mas fazer o quê? A raposa transformou o galo em galinha e ainda saboreou os 5 a 0 contra o rival. Já o galo ou galinha, nem sei ao certo, tenta fugir da raposa esfomeada por gols, mas acho que não vai conseguir não. Talvez, a segunda partida da decisão seja mais equilibrada, mas o Atlético-MG tem que tirar o galinho da chuva porque o título será do Cruzeiro. Domingo que vem será apenas um amistoso, nada mais que isso.


Ah, o atacante Kléber disse que não quis provocar a torcida do Atlético, mas será mesmo? Duvido muito. Até porque, além da imitação perfeita de uma galinha (Kléber merece um Oscar, diga-se de passagem) ele ainda fez o chamado chororô, imortalizado à torcida botafoguense no ano passado. Kléber, por favor, será mesmo que você não quis provocar? Quis sim. Não sou contra não. Acho que esse tipo de brincadeira é saudável e deve acontecer no futebol e dentro de campo. As provocações só não podem extrapolar às quatro linhas e virar guerra entre torcidas. Só isso.


Provocações e ironias à parte, o Cruzeiro humilhou o Atlético-MG e não me assustaria se no próximo domingo, galinha fosse novamente o prato em Minas Gerais. Mesmo que galinha não esteja no cardápio do domingo que vem, o título do Mineiro de 2009 é do Cruzeiro.


Assista aos gols da goleada do Cruzeiro sobre o Atlético-MG, com direito até com imitação de galinha (no primeiro gol da Raposa, marcado por Kléber)

RONALDO FENOMENAL por Paulo de Tarso Jr.

Ronaldo, sinônimo de gol. Novamente o Fenômeno foi decisivo e ajudou o Corinthians a por uma mão e meia na taça do Campeonato Paulista deste ano. O Fenômeno desequilibrou e marcou duas vezes na vila mais famosa do mundo: a Vila Belmiro. A Vila, que foi agraciada pela magia dos dribles e jogadas de Pelé, foi apresentada a Ronaldo, o Fenômeno. E a apresentação não poderia ter sido melhor. Com dois belos gols, Ronaldo foi aplaudido até pelo Rei do Futebol, Pelé.


E até que o Santos jogou bem, mas a bola teimou e não balançou as redes do Timão. Enquanto isso, o Corinthians tinha Ronaldo. É verdade que ele pouco tocou na bola, mas pra que ficar com a bola durante os 90 minutos se Ronaldo precisa apenas de alguns toques para decidir um jogo? Foi exatamente isso que aconteceu. Ele teve três chances na partida: um chute para fora e dois gols. Tá bom ou quer mais? Eu até ficaria satisfeito, mas Ronaldo não. O atacante quis mais e marcou um gol de placa diante dos olhos de Pelé. Gol de artilheiro. Gol de gênio. Gol de um Fenômeno. Um gol simplesmente antológico.


Talvez mereça até uma placa por parte de Pelé, mas essa já é outra história. Ah, o resultado do clássico foi 3 a 1 para o Corinthians, que agora pode perder por até dois gols de diferença no próximo domingo, no Pacaembu, para erguer a taça e premiar o retorno de Ronaldo aos gramados. Parabéns Ronaldo, e acho que em São Paulo, o título já é do Corinthians. Agora o Timão vai tentar ser campeão invicto e tem boas perspectivas para que isto ocorra. Do lado santista, o pessoal da Vila fez o possível, mas infelizmente eles não têm um Fenômeno.


Assista aos gols de Santos 1 x 3 Corinthians